FORTES E OUSADAS: conheça a história de Mary Kom, primeira boxeadora da Índia a ser campeã mundial

“Eu não posso viver sem box. Eu amo isso”.

Chungneijang Mary Kom Hmangte , mais conhecida como Mary Kom é a primeira boxeadora da Índia a se tornar campeã mundial de boxe.

Ela veio de uma família pobre, seus pais eram fazendeiros que trabalhavam no campo. Mary cresceu em um ambiente humilde, ajudando seus pais com tarefas relacionadas a fazenda, indo à escola e aprendendo atletismo inicialmente e depois treinando boxe, simultaneamente. Estudou na Escola Católica de São Xavier. Foi nesse momento que um indiano, Dingko Singh, retornou dos Jogos Asiáticos de Bangkok de 1998 com uma medalha de ouro. Isso inspirou muitos jovens a tentarem o boxe, e ela também pensou em tentar.

Quando tinha 15 anos, ela tomou a decisão de deixar sua cidade natal para estudar na academia de esportes na capital do estado, Imphal, e manteve seu interesse por boxe em segredo de seu pai, ele próprio um ex-lutador, que estava preocupado com as cicatrizes que esporte poderia deixar no rosto de Mary e estragar suas chances de casamento. No entanto, ele soube que ela estava lutando quando sua foto apareceu em um jornal depois que ela ganhou o campeonato estadual de boxe em 2000.

Após três anos, seu pai começou a apoiar as buscas de Mary no boxe quando ele se convenceu de sua paixão pelo esporte. Após seu casamento, Mary fez uma breve pausa, depois que ela e Ongler tiveram seus dois primeiros filhos, começou a treinar novamente.

Ela é cinco vezes campeã mundial de boxe amador e a única boxeadora a ganhar uma medalha em cada um dos seis campeonatos mundiais. Apelidada de ” Mary Maravilha”, ela é a única boxeadora indiana a se qualificar para as Olimpíadas de 2012, competindo na categoria peso mosca (51 kg) e ganhando a medalha de bronze. Ela se tornou a primeira boxeadora indiana a ganhar uma medalha de ouro nos Jogos Asiáticos de 2014 na Coréia do Sul e é a primeira boxeadora indiana a ganhar ouro nos Jogos da Commonwealth de 2018.

0 respostas

Deixe uma resposta

Want to join the discussion?
Feel free to contribute!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *