Fortes e Ousadas: conheça Mary Anning, uma das principais paleontólogas do mundo

“O mundo usou-me tão maliciosamente, que eu temo que ele fez-me suspeita de todos.” A paleontóloga britânica Mary Anning (1799 – 1847) é conhecida pela descoberta do primeiro fóssil de ictiossauro, aos 12 anos de idade, na costa de Dorset (Inglaterra), em um íngreme penhasco, com 5 metros de comprimento.

Nasceu em Lyme Regis, na Inglaterra. Seu pai, Richard Anning, era carpinteiro, que aumentava a renda mensal escavando fósseis nos recifes e vendendo-os aos turistas. Era casado com Mary Moore. O casal se mudou para Lyme em uma casa construída numa ponte: a família vivia tão perto do mar que as mesmas tempestades que revelavam os fósseis nos recifes, algumas vezes inundavam a casa dos Anning, obrigando-os a subir as escadas para evitar que se afogassem. Richard e Molly tiveram 10 filhos.

Em 19 de agosto de 1800, quando Mary tinha 15 meses de idade, um evento acabou se tornando uma lenda local. Ela era segurada por uma vizinha, que, junto de outras duas mulheres, assistiam a um show equestre junto a uma árvore, quando um raio atingiu a árvore, matando todas as mulheres embaixo. Quem estava por perto correu para o local e encontraram o bebê, que foi banhado em água quente e reviveu. Um médico local declarou que ela sobreviveu por um milagre. Sua família disse que ela era um bebê que vivia doente antes do evento, mas depois ela nunca mais teve nenhum problema. Por muitos anos, os membros da comunidade atribuíram a curiosidade, inteligência e personalidade marcante de Mary ao incidente.

Sua educação foi extremamente limitada. Ela frequentava a escola dominical congregacionalista onde aprendeu a ler e escrever. A doutrina congregacionalista, diferente da Igreja da Inglaterra da época, acreditava na importância da educação para os pobres.

No final do século XVIII, Lyme Regis se tornou popular por ser um resort litorâneo, assim, um grande número de turistas ricos e de classe média começaram a se estabelecer no local. Antes mesmo do tempo de Mary, os habitantes aumentavam suas rendas mensais com a venda do que eles chamavam de “curios” aos visitantes. Os fósseis tinham nomes inusitados como “cobras de pedras”, “dedos do diabo”, que algumas vezes eram atribuídos a propriedades místicas e medicinais. Richard, pai de Mary, costumava levar os filhos nessas expedições para coletar fósseis para tentar aumentar a renda da família. Eles vendiam suas descobertas para os turistas em uma mesa improvisada fora da casa.

Sua primeira descoberta significativa se deu em 1811, quando Mary tinha 12 anos. Joseph, seu irmão, cavou um crânio de ictiossauro de 1,2m e alguns meses depois Mary achou o restante do esqueleto. O lorde Henry Hoste Henley pagou cerca de 23 libras por ele e então vendeu para o colecionador, William Bullock, que o exibiu em Londres.

A mãe de Mary, Molly, inicialmente tocou os negócios da família depois da morte de Richard, mas rapidamente, Mary assumiu os negócios. O gênero e a classe social da Anning a impediram completamente de participar da comunidade científica da Grã-Bretanha do século XIX – dominada por senhores anglicanos ricos. Ela lutou financeiramente por grande parte de sua vida. De família pobre, dissidentes religiosos estavam sujeitos a discriminação legal. Ela tornou-se bem conhecida nos círculos geológicos na Grã-Bretanha, Europa e América, e foi consultada sobre assuntos de anatomia bem como sobre colecionar fósseis.

Entretanto, por ser mulher, Mary não era elegível para se juntar à Geological Society of London, e nem sempre recebia o crédito completo por suas contribuições científicas. O único artigo científico escrito por Mary publicado em toda a sua vida apareceu na Magazine of Natural History, em 1839, um trecho de uma carta na qual Anning tinha escrito ao editor da revista questionando uma de suas reivindicações. Depois da sua morte, a história de vida incomum de Mary atraiu interesse crescente. Em 2010, a Royal Society incluiu Anning numa lista das dez mulheres britânicas que mais influenciaram a história da ciência.

0 respostas

Deixe uma resposta

Want to join the discussion?
Feel free to contribute!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *